Tamanho Não Importa (Os Mistérios de Heather Wells #3) ~ Meg Cabot

A ex estrela do pop Heather Wells não tem do que reclamar: seu pai finalmente vai se mudar do apartamento que ela divide com Cooper; ela arrumou um namorado que quer ajudá-la a emagrecer e as coisas no emprego de inspetora de alojamento na Universidade de Nova York vão… Bem, as coisas por lá continuam esquisitas como sempre.

O Dr. Owen Broucho, diretor interino do alojamento Fischer Hall e seu terceiro chefe em menos de um ano, acaba de ser assassinado. Mais uma vez, Heather precisará usar seus excepcionais talentos de investigação se quiser livrar Sebastian Blumenthal, líder estudantil e principal suspeito do assassinato, de uma acusação aparentemente falsa.

Tamanho Não Importa (Os Mistérios de Heather Wells #3) – Meg Cabot

 ISBN: 978-85-01-08273-2

Editora: Galera Record

Ano de Lançamento: 2011

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 334

Atenção, essa resenha contém spoilers dos livros anteriores.

Ainda aproveitando a onda do tema “policial”, trouxe um pouco de Meg Cabot para cá de novo.

Em Tamanho Não Importa, nos encontramos de volta no Conjunto Fischer, que parece estar vivendo um momento de paz depois dos últimos acontecimentos. O novo chefe de Heather, o doutor Owen Broucho parece ser uma pessoa bem normal, tirando sua fixação pelo Garfield e alguns problemas com a ex-mulher. A própria protagonista está tendo uma vida bastante comum: ela parece ter superado a sua paixonite por Cooper, arranjou um namorado – seu professor de matemática, Tad – que, além de tudo, quer ajudá-la a ficar saudável.

Bem, isso tudo até o Dr. Brochuro ser encontrado morto em seu escritório. E, como sempre, Heather acaba se envolvendo para tentar solucionar o crime. Para piorar mais um pouco as coisas, o principal suspeito, Sebastian, é, além de um líder estudantil, a paixonite da colega da protagonista, Sarah. As coisas não poderiam ter piorado tanto de uma hora para outra.

Novamente, Meg Cabot conseguiu me prender em seus livros. Eu confesso que, quando li Tamanho Não Importa, estava passando por uma tremenda “ressaca literária”, e escolhi-o sabendo que seria algo fácil e gostoso de ler. Os Mistérios De Heather Wells é uma série que tem tudo para me fazer gostar do livro: ação, suspense, mistério, comédia e, claro, romance.

O destaque do livro para mim foram, realmente, as cenas de comédia. Heather acaba divagando bastante sobre comida no decorrer da narrativa, ao mesmo tempo em que quer entrar em forma e, seus diálogos com Gavin rendem as melhores risadas. As investigações tiveram uma importância menor nesse livro, mesmo com toda a história girando praticamente em torno do assassinato de Owen.

A vida amorosa da protagonista ganhou um destaque maior. Ela tem que conciliar seu relacionamento com Tad com a convivência diária com Cooper, o trabalho no Conjunto Fischer, suas investigações “clandestinas” e, claro, os problemas que seus companheiros de trabalho desabafam com ela.

O livro, no geral, foi muito bom. É difícil eu não gostar de algo da Meg cof cof, A Rainha da Fofoca, e isso ajuda bastante quando tenho essas ressacas literárias… E, felizmente, a série não acaba por aqui, e isso não poderia me deixar mais ansiosa. O quarto volume da série, Tamanho 42 E Pronta Para Arrasar, já foi lançado aqui no Brasil e a resenha vai estar no blog em breve.

Assinatura_4

 

Anúncios

O Filho de Netuno (Os Heróis do Olimpo #2) ~ Rick Riordan

A vida de Percy Jackson é assim mesmo: uma grande bagunça de deuses e monstros que, na maioria das vezes, acaba em problemas. Filho de Posseidon, o deus do mar, um belo dia Percy desperta sem memória e acaba em um acampamento de heróis que não reconhece. Agarrado à lembrança de uma garota, só tem uma certeza: os dias de jornadas e batalhas não terminaram. Percy e seus novos colegas semideuses vão enfrentar os misteriosos desígnios da Profecia dos Sete. Se falharem, as consequências, é claro, serão desastrosas.

O Filho de Netuno (Os Heróis do Olimpo #2) – Rick Riordan

 ISBN: 978-85-8057-180-6

Editora: Intrínseca

Ano de Lançamento: 2012

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 426

Uma das primeiras resenhas que eu coloquei aqui no blog foi a de O Herói Perdido. Mais de dois anos depois, finalmente trago a continuação. E, sinceramente, foi mais do que eu esperava.

Em O Filho de Netuno, voltamos a acompanhar nosso conhecido Percy Jackson por suas aventuras, mas com uma pequena diferença: ele perdeu completamente sua memória. O pouco que lembra de seu passado, envolve a namorada, Annabeth e alguns conhecimentos de luta. Só. Depois de ser perseguido por alguns monstros, ele acaba conhecendo HazelFrank, que estavam guardando as portas do Acampamento Júpiter. O mesmo acampamento de onde Jason Grace desapareceu alguns meses antes.

Depois de salvar uma senhora e Frank, ele é aceito no acampamento romano, mesmo filhos de Netuno não sendo um bom presságio. As coisas logo começam a ficar estranhas, quando os lares (espíritos que vivem em Nova Roma), começam a chamar Percy de graecus, causando algumas suspeitas não apenas a Hazel, mas também à líder do acampamento, Reyna. Entre cumprir sua missão, viajar para terras “proibidas” e derrotar algumas dezenas de monstros, Percy começa a recobrar sua memória.

Todas as pessoas que eu conheço e que leram Os Heróis do Olimpo, falam que O Filho de Netuno é o mais fraco dos quatro lançados até agora. Por isso, fui com minhas expectativas um pouco baixas para o livro e isso acabou sendo algo bom, uma vez que acabei me surpreendendo com o livro muito mais que esperava.

O maior desafio de Rick Riordan nesse livro era unir a mitologia grega que os leitores da série já estão acostumados com a romana, que foi introduzida um pouco bruscamente no livro. No começo, a confusão entre as personalidades gregas e romanas dos deuses foi bastante frequente, mas o livro acabou sendo mais uma grande aula de história e, depois de alguns capítulos, a assimilação entre os deuses já é quase que automática.

O ponto alto de O Filho de Netuno ficou por conta dos momentos de comédia. Mais que em O Herói Perdido, onde temos o comediante Leo, o autor conseguiu encaixar algumas boas risadas tanto antes quanto depois de momentos críticos da trama, deixando a leitura mais leve.

As histórias de Frank Hazel também me impressionaram bastante. Cada um em seu tempo, foi mostrando não apenas a sua importância para a realização da Profecia dos Sete, mas também o que os fazem ser quem são e quem são, de onde vieram e quais as ligações que tem com o Acampamento Júpiter. Eu fiquei bastante empolgada para descobrir mais sobre o passado de Hazel e sobre a família de Frank, embora a maior parte já tenha sido revelada.

Os livros de Rick Riordan acabam sempre sendo uma grande aula de história com uma pitada de comédia e romance e uma boa dose de ação. Que venha A Marca de Atena.

Assinatura_4

A Ilha Dos Dissidentes (Trilogia Anômalos #1) ~ Bárbara Morais

SER LEVADA PARA uma cidade especial não estava nos planos de Sybil. Tudo o que ela mais queria era sair de Kali, zona paupérrima da guerra entre a União e o Império do Sol, e não precisar entrar para o exército. Mas ela nunca imaginou que pudesse ser um dos anômalos, um grupo especial de pessoas com mutações genéticas que os fazia ter habilidades sobre-humanas inacreditáveis. Como única sobrevivente de um naufrágio, ela agora irá se juntar a uma família adotiva na maior cidade de mutantes do continente e precisará se adaptar a uma nova realidade. E logo aprenderá que ser diferente pode ser ainda mais difícil que viver em um mundo em guerra.

A Ilha Dos Dissidentes (Trilogia Anômalos #1) – Bárbara Morais

 ISBN: 978-85-8235-075-1

Editora: Gutenberg

Ano de Lançamento: 2013

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 304

Distopia de novo! E dessa vez, temos um livro nacional aqui! A Ilha dos Dissidentes é o primeiro livro da trilogia Anômalos, escrita pela Bárbara Morais, do Nem Um Pouco Épico.

O livro conta a história de Sybil Varuna, uma anômala que só descobriu suas habilidades ao se ver sobrevivente do naufrágio do irônico Titanic III. Com isso, ela, antes fugitiva da guerra, é transferida para Pandora, uma cidade apenas para as “pessoas especiais”, com escolas que ajudam-nos a desenvolver melhor suas mutações. Ela agora tem uma cidade nova, uma família nova, uma vida nova. Tudo parece perfeito para quem veio de uma zona em guerra há anos.

Depois de algum tempo em Pandora, ela descobre que as coisas não são como deveriam ser quando ela, seus amigos, Andrei e Leon, e uma colega de sala, Eva, são recrutados para uma missão. Uma missão aparentemente suicida para um bando de adolescentes. E é aí que Sybil começa a entender melhor como a sociedade funciona e porque os mutantes são tão “especiais”.

A Ilha dos Dissidentes é narrado pela própria protagonista, o que torna a leitura muito mais interessante, pois conseguimos “sentir” tudo o que Sybil sente, ver as coisas como ela vê, passar pela adaptação com ela. Além disso, a Bárbara conseguiu criar um mundo totalmente incrível. Esse é o ponto legal das distopias. Cada autor cria um mundo que quer. Nós somos jogados de paraquedas dentro deles no primeiro livro e, antes que percebamos, já estamos imersos nesse mundo novo e esperando por uma continuação.

O ponto alto do livro com certeza são as cenas de ação. A autora desenvolve TODAS as cenas de batalhas, exercícios, fugas, missões de uma maneira que prende o leitor até que a cena acaba e você fica totalmente “COMO ASSIM EU QUERO MAIS”. E a Bárbara vai lá e entrega mais cenas assim desde a primeira vez que uma delas aparece, tornando quase impossível soltar o livro até que a chega a última página e você fica com aquela vontade de ler o próximo o mais rápido possível.

Por mais que o começo de A Ilha dos Dissidentes seja um pouco cansativo, isso é totalmente compensado no decorrer da leitura. Eu me apaixonei pela história da Sybil, me apaixonei pelo mundo que a autora criou na trilogia e, principalmente, me apaixonei pelo Andrei… Quando sai o próximo mesmo?

Assinatura_4

Lola E O Garoto Da Casa Ao Lado ~ Stephanie Perkins

A designer-revelação Lola Nolan não acredita em moda… ela acredita em trajes. Quanto mais expressiva for a roupa — mais brilhante, mais divertida, mais selvagem — melhor. Mas apesar de o estilo de Lola ser ultrajante, ela é uma filha e amiga dedicada com grandes planos para o futuro. E tudo está muito perfeito (até mesmo com seu namorado roqueiro gostoso) até os gêmeos Bell, Calliope e Cricket, voltarem ao seu bairro. Quando Cricket — um inventor habilidoso — sai da sombra de sua irmã gêmea e volta para a vida de Lola, ela finalmente precisa conciliar uma vida de sentimentos pelo garoto da porta ao lado.

Lola E O Garoto Da Casa Ao Lado – Stephanie Perkins

 ISBN: 978-85-8163-053-3

Editora: Novo Conceito

Ano de Lançamento: 2012

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 288

Depois de me apaixonar por Anna E O Beijo Francês, eu mal podia esperar para ler o próximo livro da Stephanie Perkins. E todos estavam falando extremamente bem de Lola E O Garoto Da Casa Ao Lado, então eu fiquei ainda mais animada e, quando eu finalmente consegui um tempo para lê-lo… Bem, não era muito bem o que eu esperava.

O livro conta a história de Lola, uma garota no último ano do Ensino Médio que não tem medo de mostrar quem ela é, e faz questão de deixar isso bem claro com as roupas que usa. E, diferentemente da maioria das famílias, os dois pais da menina não se incomodam nem um pouco com o estilo um tanto quanto excêntrico da filha. Aliás, o único problema que eles têm com ela é o namorado.

Tirando as pequenas desavenças com os pais causadas por Max, a única preocupação da menina é seu vestido de formatura. Uma réplica de um vestido de Maria Antonieta. Quer dizer, isso até os gêmeos Bell voltarem à casa ao lado e milhares de memórias do passado envolvendo LolaCalliope Cricket voltam a rondar a cabeça da menina, e essas memórias não eram exatamente o que ela queria para seu ano de formatura.

O livro segue uma linha um pouco parecida com o do outro romance de Stephanie Perkins, mas temos algumas diferenças básicas. Para começar, a Lola é uma garota bem mais segura de si do que a Anna, que aliás faz uma “participação especial” junto com o St. Clair durante alguns momentos do livro. Eles dois, aliás, tem uma participação importante no livro.

Lola E O Garoto Da Casa Ao Lado é uma leitura leve e gostosa, mais uma vez, sendo um daqueles livros que você consegue ler tranquilamente em um dia. O que aconteceu foi que eu vim esperando algo tão bom ou até melhor do que o anterior, mas não chegou a ser tudo isso.

Lola é uma garota diferente, e eu adoro isso nela. Ela não tem medo de se mostrar para o mundo, e, mesmo “se escondendo” embaixo das suas perucas e das suas roupas, ela veste o que quer e, muitas vezes, faz o que quer, sem se importar com o que os outros falariam.

Ao mesmo tempo, eu achei ela um pouco cansativa em alguns momentos da leitura, que acho que foi um dos principais motivos que me fez dar quatro e não cinco estrelas ao livro. Mesmo assim, é uma leitura muito gostosa para aquela tarde quente do final de semana.

Assinatura_4

A Lista Negra ~ Jennifer Brown

E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas. A lista negra, de Jennifer Brown, é um romance instigante, que toca o leitor; leitura obrigatória, profunda e comovente.

A Lista Negra ~ Jennifer Brown

 ISBN: 978-85-65383-11-0

Editora: Gutenberg

Ano de Lançamento: 2012

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 272

A Lista Negra é o romance de estreia de Jennifer Brown, e posso dizer que, para uma estreia, ele é excelente. No livro, conhecemos Val, uma adolescente que acabou de passar por um enorme trauma: seu namorado, Nick, abriu fogo na cantina do colégio e matou várias pessoas, incluindo ele mesmo. Embora Val tenha salvado a vida de uma de suas colegas e, aparentemente, ter interrompido o tiroteio, ela é acusada de ser cúmplice da ação do namorado. Afinal, a lista foi sua ideia.

Ao contrário do que eu – e possívelmente muitos – pensava, o livro não foca no pré-tiroteio e tiroteio. Ele foca no retorno de Val para o colégio, como ela vai lidar com tudo aqui, com seus antigos amigos, com novos amigos… Isso me surpreendeu bastante, já que, com o tiroteio que ocorreu no final do ano passado nos Estados Unidos, eu estava meio que esperando algo assim.

Posso dizer que, ao mesmo tempo que A Lista Negra me surpreendeu, ela me decepcionou. Eu fui esperando mais do livro, depois de todas as resenhas que eu li do livro, mas, quando eu achava a leitura muito enrolada, sempre vinha alguma coisa para me animar e me deixar seguir com a leitura. Outra coisa que eu gostei muito no livro foi o fato de eu me identificar com a protagonista em alguns pontos que não estão no “enredo principal”, ou seja, não estão focados diretamente no tiroteio.

A Val é uma personagem forte, mas que ao mesmo tempo, demonstra suas fraquezas em alguns momentos. Ninguém é perfeito, todos nós cometemos erros… E Jennifer Brown conseguiu mostrar esses dois itens perfeitamente em seu romance de estreia. Além de indicar a leitura para quem quiser, acho que esse é o tipo de livro que, assim como Garotas de Vidro, deveria ser implantado nos colégios…  São leituras como essas que mostram para nós jovens que o mundo não é a bolha que vivemos, que nada é perfeito, que devemos sempre estar informados e preparados, que é normal ter problemas…

Afinal, ninguém é perfeito.

Assinatura_4

Insurgente (Divergent #2) ~ Veronica Roth

Uma escolha pode te transformar ou te destruir. Mas todas as escolhas tem a suas consequências e à medida que o descontentamento se instaura nas facções que a rodeiam, Tris Prior tem de continuar a tentar salvar a vida daqueles que ama, assim como a sua, enquanto se debate com questões de luto e perdão, identidade e lealdade, política e amor.

O dia da iniciação de Tris devia ter sido marcado com celebração e vitória com a facção da sua escolha, em vez disso, o dia terminou com horrores inexplicáveis. A guerra está no horizonte à medida que os confrontos entre as facções e as suas respectivas ideologias crescem. E em tempos de guerras, partidos serão tomados, segredos virão há superfície e as escolhas se tornarão inegáveis e cada vez mais poderosas.

Transformada pelas suas decisões mas também pelo seu luto e culpa, descobertas radicais e relações em mutação, Tris tem de abraçar a sua Divergência mesmo sem saber o que poderá perder ao fazê-lo.

Insurgente (Divergent #2) – Veronica Roth

 ISBN: 978-85-7980-155-6

Editora: Rocco

Ano de Lançamento: 2013

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 512

Esta resenha contém spoilers de Divergente!

Mais uma vez, Veronica Roth me deixa com apenas uma palavra para descrever seu livro. Uau. De novo. Insurgente foi uma leitura simplesmente incrível!

No segundo livro da trilogia Divergent, nos encontramos no mesmo ponto em que o primeiro livro terminou. Eu já mencionei várias vezes aqui no blog que eu simplesmente amo quando a sequência de um livro começa logo depois do ponto em que o anterior terminou. Eu sempre fico na curiosidade de saber o que aconteceu entre os livros, então… Enfim, Tris, Quatro e os outros estão seguindo para a sede da Amizade em busca de abrigo.

Acontece que, depois de um tempo, ela começa a descobrir algumas coisas que ou não deveriam ser descobertas, ou não deveriam estar acontecendo, e isso gera uma série de discussões com seu namorado Quatro/Tobias, que é totalmente contra grande parte das ações de Tris.

Os mimimis do Quatro, depois de um tempo, começaram me irritar e fizeram com que eu atrasasse um pouco minha leitura. Eu simplesmente não consegui continuar com tantas reclamações e discussões dele/entre eles! Mas, ao mesmo tempo, essas discussões acabam gerando uma série de ações da Tris que, para mim, tornaram a leitura muito melhor. Nesse livro, também conhecemos um pouco mais sobre o sistema da divisão da sociedade, incluindo os sem facções!

Nesse livro, a Tris está mais madura, mais adulta… Ela “cresceu”, se transformou em uma pessoa mais forte, e não aquela menina do começo de Divergente que tinha medo, mas tentava ser corajosa. Ela agora enfrenta as coisas sem medo, e se coloca em risco para proteger os outros!

E o final do livro… UAU! É de tirar o fôlego! Eu mal consigo esperar pelo terceiro livro, Allegiant, com lançamento previsto para 22 de outubro desse ano. Tirando as minhas brigas internas com o Quatro, o livro é excepcional! Só não é cinco estrelas porque eu realmente fiquei brava com o caminho que ele seguiu durante um pedaço do livro.

Assinatura_4

Sonho, sombras e super-heróis ~ Luiz Bras

Tinha sido um sonho, não tinha?

Acordado ou não, só podia ter sido um sonho.

Passei o resto da noite recapitulando tudo o que havia acontecido, de madrugada eu percebi eufórico que tinha uma história, um sonho só meu, aleluia, porém quanto  mais eu pensava nela mais a história mudava, coloquei um cemitério e um casarão mal-assombrado atrás da porta, depois troquei tudo isso por uma cidade fantasma habitada por espíritos cruéis e esqueletos ambulantes, a história cresce, adensou-se e roubou o controle da situação.

Eu já não inventava mais minha história, era ela que se autoinventava.

Sonho, sombras e super-heróis – Luiz Bras

 ISBN: 978-85-62-01808-4

Editora: Autores Associados – Ciranda de Letras

Ano de Lançamento: 2011

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 256

Sonho, sombras e super-heróis é o segundo livro que a Autores Associados cedeu para resenha aqui no blog!

Bem, o livro, do brasileiro Luiz Bras, conta a história de Efraim (ou, como prefere, Batman), um garoto que, quando pequeno, não conseguia sonhar. Até que, um dia, ele tem seu primeiro sonho e, depois disso, não consegue mais parar de sonhar e passa a confundir o que é sonho e o que é realidade. Ele começa então a viver uma série de aventuras para proteger a sua cidade, Cobra Norato dos vários diferentes bandidos que existem por lá, incluindo o doutor Mefisto. Em mais um de seus dias de luta contra o crime, ele conhece Diana, uma garota que tem o mesmo “problema” que ele: não conseguia sonhar! Eles, então, se unem e passam a defender a cidade juntos!

Eu confesso que demorei para pegar no tranco com esse livro. Quando eu vi o release dele, eu fiquei super animada e logo pedi para a editora me enviar. Me enrolei com algumas leituras da escola e do vestibular e, quando comecei Sonho, sombras e super-heróis, acabei me decepcionando um pouco com o começo, mas não desanimei!

No início, não consegui me adaptar muito bem ao estilo de narrativa do autor, o que fez com que eu ficasse “entalada” em alguns trechos do livro. Os diálogos são misturados com a narração – feita pela protagonista. Depois que consegui me achar na narrativa, o livro fluiu super bem!

É uma aventura que eu nunca ia esperar! Fiquei realmente surpresa com o livro e com a maneira que a história foi sendo desenvolvida. Uma das coisas que eu mais gostei do livro foi o fato de alguns dos moradores da cidade terem nomes de escritores famosos (Senhor Lewis, – que ajuda Efraim e Diana em sua busca – Senhora Rowling, Senhora Machado, Senhor Lobato…)!

Se tiverem a oportunidade, leiam Sonho, sombras e super-heróis. O livro é cativante e, depois que você se acostuma, a escrita de Luiz Bras é simplesmente incrível e te prende até o final do livro. Além disso, o livro conta com ilustrações que dão aquele up na diagramação e deixam a história mais interessante, pois podemos acompanhar com imagens o que está acontecendo!

|Filme| Star Trek: Além da Escuridão (Star Trek #2) ~ J. J. Abrams

Quando a tripulação da Enterprise é chamada de volta para casa, eles descobrem que uma força maligna incontrolável, de dentro de sua própria organização, detonou a frota e tudo aquilo que ela representa, deixando nosso mundo em situação de crise.

Tendo acertos de contas a fazer, o Capitão Kirk lidera uma caçada humana em um mundo em zona de guerra para capturar um homem que é, por si só, uma arma de destruição em massa.

Na medida em que nossos heróis são lançados em um jogo de xadrez épico de vida ou morte, o amor será contestado, amizades serão rompidas e sacrifícios terão que ser feitos pela única família que Kirk ainda possui: sua tripulação.

Star Trek: Além da Escuridão

Diretor: J. J. Abrams

Elenco: Chris Pine, Zachary Quinto

Ano de Lançamento: 2013

Estrelas: 4 de 5

Ok, para quem nunca viu nada da série de Star Trek e praticamente dormiu todas as vezes que tentou ver o primeiro filme dessa nova onda de lançamentos, eu até que gostei bastante de Além da Escuridão e consegui entender bastante da história!

Bem, o segundo filme da série gira em torno do retorno da tripulação da Enterprise à Terra devido a um pequeno problema que causaram em um planeta distante. Com isso, nosso querido capitão Kirk é rebaixado, assim como o comandante Spock, mas, devido à uma outra série de acontecimentos e à aparição de um novo aliado e um novo vilão, ambos acabam se reunindo novamente e partem espaço a dentro contra esse vilão.

Eu gostei muito do filme. É aquele tipo de filme que tem ação o tempo todo e você não consegue piscar sem perder alguma cena interessante! Tiveram alguns momentos do filme que eu não entendi, já que segundo meu pai faziam referência aos episódios da série e ao primeiro filme.

Eu realmente não esperava muita coisa desse filme. Eu fui meio que arrastada para o cinema, mas acabei gostando muito mais do que achava e agora estou em busca do DVD do primeiro filme aqui em casa para assistir e, quem sabe, pela primeira vez, terminar de ver o filme sem dormir!

Deslembrança ~ Cat Patrick

Toda noite, quando London Lane recosta a cabeça no travesseiro e dorme, cada mínimo detalhe do dia que viveu desaparece de sua memória. Pela manhã, restam-lhe apenas lembranças do futuro: pessoas e acontecimentos que ainda estão por vir.

Para conseguir manter uma rotina minimamente normal, London escreve bilhetes para si própria e recorre à sempre fiel melhor amiga. Já acostumada a tudo isso, ela tenta encarar a perda de memória mais como uma fatalidade que como uma limitação.

Mas, quando imagens perturbadoras começam a surgir em suas lembranças e London precisa, de algum modo, escapar delas, fica claro que para entender o presente e o futuro ela terá que decifrar o que ficou esquecido no passado.

Deslembrança – Cat Patrick

 ISBN: 978-85-8057-162-2

Editora: Intrínseca

Ano de Lançamento: 2012

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 256

Esse é mais um daqueles livros que eu peguei para ler pela capa. A arte da capa é simplesmente linda! Enfim, vamos ao livro.

Em Deslembrança, conhecemos London Lane, uma garota que está em seu penúltimo ano do colégio, tem uma melhor amiga e uma vida normal de estudante. Tirando o fato de que ela não se lembra nada de seu passado, mas lembra do que vai acontecer não só no seu futuro como o das outras pessoas. Ela está acostumada com essa vida de escrever todo o seu dia em bilhetes para lembrar das coisas no dia seguinte, mas, de repente, uma memória do futuro começa a assombrá-la.

A ideia do livro é muito boa. O desenvolvimento do livro é muito bom. O crescimento das personagens é muito bom. Porém, eu achei o final do livro muito fraco. Sim, ele deixou aquele gostinho de quero mais, mas eu acho que muitos pontos não foram tratados durante a finalização do livro que eu acho que dificilmente poderiam vir a ser tratadas em um possível próximo livro.

Além disso, houve um salto muito grande no meio do livro. A protagonista estava com um problema e na próxima página esse problema havia sido resolvido. Sem mais nem menos, sem mostrar nada da resolução. E não era um problema simples! Era algo que, pelo menos eu, fiquei muito curiosa em saber mais sobre esse problema que a London estava vivendo!

No meio da trama principal da história, ainda temos algumas secundárias que conseguem prender a atenção de nós leitores, pois queremos saber o que vai acontecer e, assim que uma se resolve, outra já vem para prender nossa atenção mais uma vez!

Tirando essas duas coisinhas, o livro é muito bom! Eu nunca tinha lido nada com essa ideia de memórias do futuro/sem memórias do passado. Explorar a cabeça do personagem é uma das coisas que me agrada muito nos livros, então, ponto positivo! O melhor é que, durante alguns capítulos, você acaba esquecendo que a protagonista  o futuro, até que acontece alguma coisa e ela pensa algo do tipo Ah, mas tudo bem, vai acontecer isso na vida dela daqui a pouco.

A escrita da Cat Patrick é bem gostosa, o livro é bastante fluído e eu fiquei curiosa em ler mais livros dela! Agora é só procurar e ver o que mais ela tem para nos oferecer!

Depois Dos Quinze (Quando Tudo Começou A Mudar) ~ Bruna Vieira

Bruna Vieira tem 18 anos, é colunista da Revista Capricho e dona de um blog chamado Depois dos Quinze. Começou a escrever porque descobriu que o amor da sua vida era na verdade o amor de uma das centenas de fases que ela já viveu.

Desde então, com a ordem das palavras escritas e compartilhadas nas redes sociais, Bruna superou a timidez, viajou para a Europa, fez duas tatuagens, mudou de vez para São Paulo e tornou-se uma das adolescentes brasileiras mais influentes da internet com milhares de fãs-leitoras-amigas-seguidoras.

Neste livro você encontra uma mistura de histórias, desabafos e segredos de uma garota que nasceu no interior, ama animais, usa boinas coloridas e ainda acredita no amor simples e verdadeiro.

Depois Dos Quinze (Quando Tudo Começou A Mudar) – Bruna Vieira

 ISBN: 978-85-8235-013-3

Editora: Gutenberg

Ano de Lançamento: 2012

Estrelas: 4 de 5

Páginas: 200

Depois Dos Quinze (Quando Tudo Começou A Mudar) é o livro de estreia da blogueria Bruna Vieira, do blog que leva o mesmo nome do livro, o Depois Dos Quinze. Acompanho o blog dela bem antes de sonhar em começar o Cantinho da Cah e, quando soube que ela ia lançar um livro, eu fiquei bem animada! Acho que foi toda essa empolgação que acabou fazendo com que eu me decepcionasse um pouco com o livro.

O livro é uma coletânea de contos e crônicas, mas ao mesmo tempo, parece um diário da própria autora. E, para quem acompanha o blog dela, vai perceber que vários dos textos usados já vimos lá. Essa foi a minha única decepção com o livro. Eu vim esperando uma coisa que não era…

Enfim, os pontos altíssimos do livro ficam por conta das crônicas, principalmente a que finaliza o livro. Bruna já está escrevendo seu próximo livro, que será um romance. Eu vi esse útlimo texto do livro como um preview do que teremos no próximo livro, e posso dizer que não fiquei decepcionada! O desenvolvimento e a história que a autora cria nessas quarenta/cinquenta páginas é absolutamente incrível!

Os textos no geral são bem curtos, de duas a três páginas, em média. São rápidos de ler e tenho certeza que muitas das leitoras se identificaram com as situações mostradas nesses contos assim como aconteceu comigo. Um diferencial do livro que me agradou bastante foram as fotos com pequenos textos que estão bem no meio do livro. Da aquela diferenciada, sabe?

Indico para quem quer uma leitura leve, fácil, rápida e gostosa. A escrita da Bruna é fluída e as duzentas páginas do livro passam voando! Ler o livro em um dia é super razoável!